Esse texto nunca será completamente entendido num momento só.

Peço para crescer nele. E que Ele cresça em mim.

Eu costumo achar um jeito de mentir na verdade, poluir a candura só com meu olhar raso. À quem estou agradando? Minhas memórias assombradas nunca existiram: eu me dramatizo por atenção. É atenção por atenção, sofrimento por sofrimento. Falta de respeito por meu corpo; eu o atiro à lona com a certeza do perdão.
Passei a ser assim: caminhos paralelos num plano. Se eu fosse esfera, um dia meus caminhos se cruzariam. Nos meus planos está o vento, nos meus pulmões a incerteza. E na minha mente? A fé que ando pedindo para aumentar.
Estava pedindo há muito tempo por minhas pernas: que fossem como as daquelas que admiro. E sabe que Deus me deu? Ele tem me dado faz muito tempo, e eu vendada continuava pedindo. Ele não me deixou pernas novas debaixo do tapete: deu-me um exemplo de parceiro, deu-me luz do Sol e deu-me atividades físicas.
São tantas as perguntas, elas me perguntam quem sou. Sou assim, meio eu, meio os homens. Eu sou diferente do mundo mas eu sou o mundo, eu sou o pai de meu neto, sou o mal do meu lobo. Não espero que me entendam mas quando não me compreendem sinto-me solitária.
Gosto de isolar-me quando estou em multidões. Mas quando não tenho ninguém de quem me isolar, sinto-me imaginando uma multidão de mim mesma. Só para fugir de mim e vir parar aqui, onde não me cobram sentido.
Quem começou a ler já deve ter parado. Quem me achava normal já deve estar se questionando. Eu fui ontem à um barzinho e ganhei um coro de "Nossa Senhora" de uma mesa de universitários. Desculpe-me sei lá quem, mas gostei. Mulher gosta quando vem dos certos, dos belos. E sabe de algo? Os belos sempre me colocaram medo, pois atraem à mentira. À mesma mentira que meus olhos rasos rasuram.
Não posso parar de escrever pois gostaria de ler-me em alguns anos.
Já errei em erros de repetição e crase aqui. Deixa-os assim, Letícia. E vá dormir porque amanhã você matará as saudades do bofe. E as suas também.
Um beijo aos que leram até esse ponto final que beija o "a". Agora beija as aspas. Agora beija o "s". Agora beija o...

6 escafandrinhos disseram algo:

Ғelipe Eller disse...

Gostei do jeito que escreveu o texto. A forma como voce envolve o leitor, fazendo-o viajar com você, é ótima. Não é um texto sem nexo, porque voce mostra o sentido e o motivo das divagações, fazendo divagar junto. Também não posso deixar de citar a forma brusca com que voce encerra a "viagem", dando um puxão de volta à realidade e confessando algo que pouquíssimas meninas assumem gostar. O desmenbramento das palavras na conclusão foi doce, gostoso de ler. E quanto a isso: "Gosto de isolar-me quando estou em multidões. Mas quando não tenho ninguém de quem me isolar, sinto-me imaginando uma multidão de mim mesma. Só para fugir de mim e vir parar aqui, onde não me cobram sentido." - explendido.

--x--

Leeh, segredinho guardado rs. E quanto a Eros e Psique, eles são da mitologia grega (assim como as Moiras do outro textinho, lembra?). Mas o casal que eu me refiro no texto e o do poema do Caio Fernando Abreu, "Eros e Psique", que eu gosto MUITO. Então eu sugiro, se voce tiver tempo, leia o poema do Caio (que realmente é uma delícia) e depois releia meu humilde textinho. Ele vai fazer mais sentido e será até mais doce. Me conta depois viu..
É, eu falo demais mesmo rs.

:*

Anônimo disse...

Sorte que vc nao posta com frequeencia, dai tenho bastante tempo pra entender este aqui!

Parabéns pelas pernas que conseguiiu, e pela fé que ja aumentou...

E faz um favoor? apaga este?? to viajaando aki tbm XD... Joy

Ғelipe Eller disse...

Leeeh, que vergonha :x
Confundi o nome do autor, desculpaaa D: [burro]
O Poema é de Fernando Pessoa, olha o link ae: http://www.insite.com.br/art/pessoa/cancioneiro/182.php

E quanto a música, é linda mesmo. Vou procurar conhecer mais a banda, gostei da voz da vocalista. Obrigado pela indicação viu?

:*

Larissa disse...

Já faz um tempão que estive aqui e não sabia que tua escrita estava assim, intensa, tão madura. Você cresceu e nem acompanhei o seu crescimento.
Mas ver que você está bem assim, é bom. A gente nunca deve negar que temos fé. Acreditamos e pronto. Pedimos e sabe-se lá Deus escuta. Não peço muito, pois sei que Ele gostaria que eu corresse atrás. Só agradeço por todas as coisas boas e por todas as coisas ruins que me acontecem. Às vezes é bom só lembrar que Ele existe e estará ali quando eu menos precisar.

E quanto ao texto, não sei se compreendi da mesma forma que você queria que eu entendesse. São divagações e, acredito eu, ninguém precise entender. Só nós mesmos.

Um beijo.

Thaíse L. disse...

Passei para matar a saudade das suas palavras tão bem escritas, impressionante como você sabe usa-las tão bem. E não importa se vão entender o não, o que importa é a forma que você envolve o leitor com suas palavras.
Beijos.

Minne disse...

Que texto mais encantador. Somos assim mesmo, cheios de contrariedades, às vezes tão previsíveis, noutras surpreendentes, mas o principal é que temos que gostar de quem somos. A opinião alheia pode ser descartada às vezes. Encantador, é no que posso resumi-lo