Eu ainda te amo tanto

"Talvez, se meu coração pare de bater, não irá doer tanto assim." — Paramore, Let This Go Eu escondo as cicatrizes mas o sangue amargo ainda corre aqui, é uma ferida aberta. O passado parece que foi amanhã e eu ainda o vejo acenar do navio, deixando a costa sozinha, dando as costas para mim quando estou sozinha. Mesmo que eu tivesse lido um dicionário inteiro não saberia como ordenar as palavras de modo que a frase dissesse "te amo" verdadeiramente.
Seus olhos tem uma cor diferente cada vez que me lembro de você. Às vezes cinza, quando você está triste. Preto, quando em medo. Eu estou branca sem você no sofá, na cama, na grama do jardim do parque. Suas mãos no bolso me mostravam o quão retraído você era; mas nada se compara comigo, com o meu receio em me expressar.
Nós podemos voltar para quando eu era inocente demais e dizia o que queria e você perdoava qualquer erro imperdoável e nós dançávamos na chuva sem música? Quando você chorava era por estar me amando tanto que não cabia no coração, ele ficava apertado e dele saía um sumo chamado lágrima. Podemos agora?
Acho que quando alguém vai embora, é porque tem de ir. Deus não se engana, nós sim. Então como eu devo lidar com tudo isso? Por que você sorriu se já via o final? Por que sempre que acho que algo está próximo de se tornar eterno, o amor torna as coisas mais difíceis? É como cair do abismo tendo visto a placa de cuidado. É como não tê-lo do meu lado.
Se os oceanos não vão abrir para que eu ande até sua nova casa, se você não anda sobre a água, se a distância é maior do que a sua vontade em voltar no tempo, se as estrelas não vão se alinhar nessa noite, se é tudo tolo então talvez eu deva crescer e não chorar. Talvez eu deva me contradizer no cotidiano. Talvez eu deva sorrir e quebrar por dentro. Talvez eu deva fazer o que você pediu.
Talvez eu deva chamar a polícia para tirar seu cheiro das minhas roupas, tirar sua invasão do meu quarto, prender tudo que é seu em outro lugar que não seja a minha vida. Pelos céus, todos os dias você ainda está partindo do porto, eu ainda estou chorando, eu grito por socorro, eu ainda te amo tanto.
Como posso ser algo de que você precisa?


PS: EU QUE TIREI A FOTO *-*

1 escafandrinhos disseram algo:

Rodolpho Padovani disse...

Lê, apesar de triste, esse conto ficou lindo, sério, me senti na pele dos dois e até fiquei com um aperto no coração. A vida é cheia de idas e vindas mesmo, desencontros, amores passageiros, mas que deixam uma marca profunda.
Me senti na história, nos cenários. Gostei de tudo mesmo, só não mudei o final, hahaha

Bjs =)