Diga-me



Lana, diga-me: como as pessoas podem mudar tanto? Isso não é normal.
A partir do momento que não importa para você, também não importa para mim. E se aquilo foi amor não me diga que morreu, pois amor não se morre tão estupidamente, atirando-se pela escada mesmo sabendo que ao invés de tapete há óleo e que irá escorregar até a porta e ela se fechará gritando adeus. Diga-me que isso não é um adeus.
Foi por tanto tempo que aqueles seis meses duraram, Lana. Eu ainda sou eu, você ainda é você, mas nós duas agora somos apenas duas. Costumávamos ser menos de uma, tamanho era o consumo de nós mesmas. Diga-me que não vai ficar assim mesmo. Sabe o que me deixa mais triste? Sua indiferença. Sou Lázaro e você é o rico; quero ver quem será recompensado. Mas não estou pedindo compaixão, pois sei que você a exerce à todo momento. Meus amigos antigos são meus cachorros, e o que você derrama da mesa é risada tola de piada infantil. Diga-me que você não ficou tão infantil.
Todas as vezes eu me esforço à ceder. Odeio esse orgulho, por isso o aprisiono do lado de fora. Ora, só pode incomodar à campainha quem está do lado oposto da casa. Por isso eu enxoto quem me incomoda mesmo com a certeza de que voltará. Eu tento rir, eu quero entender, eu dou "oi" e me ponho no chão, que é onde sei que você gosta de me ver. Mas estou sendo ridícula, isso não passa de rotina para você. Diga-me que não caímos na rotina.
Eu sei que as caretas para mim são pela sua interpretação da minha conduta com Deus. Pois deixe-me contar o que está acontecendo: eu tenho fé. Eu me ajoelho sobre a madeira todos os dias e oro até me sentir realmente tocada. Eu oro pela bondade e por quem amo, oro pedindo a cura de quem precisa, oro pedindo que você volte. Nós duas pecamos o que desautoriza cada uma de criticar a outra. Depois eu me sento sobre a minha cama e leio nosso livro preferido. Eu estou tão, tão próxima da salvação e eu não queria chegar lá e não lembrar de você. Nós estamos apenas crescendo e você é incondicionalmente ingênua. Infelizmente, não foi assim que eu fui feita, mas isso não me torna menos cristã. E eu não quero ser a desgarrada, só abrir os seus olhos porque você está ceguíssima.
Diga-me que você se importa, diga-me que os seis meses ainda não acabaram.
Eu cansei desse jogo.

16 escafandrinhos disseram algo:

Winny Trindade disse...

Foi difícil, mas eu aprendi que as pessoas mudam inesperadamente e rapidamente. E sim, é de se assustar.

Abraço meu.

Franck disse...

Seus textos me tocam muito, Letícia!
Bjs*

Sara Roosevelt disse...

Mas os fins sugerem inícios e você está apenas começando.
A indiferença é um prato que temos de comer e depois vomitar, jamais deixar de sentir ânsia ou acostumar. JAMAIS conformar... Em tudo HÁ VALORES, nós somos todos os jurados juntos, nós damos a nota... Estabelecemos os vencedores.
Pode parecer uma insanidade oque estou falando... Mas, Letícia...
os fins sugerem inícios e você está apenas começando.(bis e bis de novo).
Já me senti assim, exatamente assim. :/
-
Olha, não fiquei "brava" com vc pelo sumisso, é verdade que gosto muito dos seus coments, não ligo pra números, era muito bom mesmo lê-los. Mas entendo... :)
Sempre que posso venho por aqi... Gosto dos textos e da sua amizade :)

RESOLVA ESSA "TRETA", RS...
mas é o que eu te disse, lá no início...

Sara Roosevelt disse...

privado.

eh aáah, no texto "matizes", não estou julgando o alheio, longe de mim :) flow de mim mesma, em algum episódio parecido.

Rodolpho Padovani disse...

Esse texto demonstrou muita sinceridade e verdade e até uma coisa que acontece com muita gente, qdo temos pessoas ao redor que não se importam, mas a verdade é que as pessoas mudam sim, apesar de mudarem interiormente e não necessariamente mudar de amigos, amores, família... tudo isso é essencial demais para ser trocado.

Obrigado pela visita no meu outro blog e pelo comentário. Semana que vem vc já pode ler meu conto qdo eu postar a parte final ^^

Bjs =)

Jeniffer Yara disse...

As pessoas mudam,e infelizmente essas mudanças faz com que nos afastemos delas,e daí restam as lembranças,pelo menos elas não mudaram.

Ahhhhh não se desculpe por não ir no meu blog,venho aqui com todo o prazer do mundo ler seus textos lindos *.*

Beijo

Brunno Lopez disse...

A gente pode se cansar, mas na primeira oportunidade, pegamos os dados com as duas mãos e jogamos.
É uma espécie de imã emocional e ao menos, isso faz as pessoas escreverem sobre isso.

Nesse caso, um belo texto sobre uma etapa interessante do 'love game'.

Camila disse...

Nossa, faz um tempão que eu não venho aqui ): Mas a culpa não foi sua, eu também to tentando passar mais tempo fora da internet e acabei esquecendo daqui. Mas enfim, não vai mais acontecer (: Ah, muito obrigado pela sua idéia! Juro que vou tentar escrever alguma coisa maior para o blog *-*

Sobre o texto, eu achei muito bonito, apesar de parecer triste. Você usa muito bem as palavras e eu amo o jeito que você escreve.

beijo ;*

Ariana disse...

As pessoas sempre mudam e nem sempre essa mudança é pra melhor, eu demorei a aprender isso e foi bem doloroso!

Lindo texto!

Beijos e bom fim de semana!

everything about you disse...

Complexo, mas encaixa perfeitamente. As vezes nós pensamos que as coisas duram para sempre, quando aquilo na verdade é momentâneo e a qualquer momento pode acabar, em um deslize pode acabar. Pode ser que o amor não seja suficiente, as vezes escorregamos e caímos em uma cilada, em que nem nós mesmos compreendemos como lidar. Mas é aí que nós amadurecemos, quando conseguimos levantar e dizer que viver ainda é o mais importante.

Naia Mello disse...

Uma hora cansa! Portanto lute por você.

Fernanda Karen disse...

Ótimo, ótimo. Me impressiono quando vejo talentos assim por aí, desconhecidos. Gostei muito, e vou segui-la.
beijo.

Thais Cristina, disse...

Ah, Lê! Você sempre me fazendo reler seus textos e repensar sobre pontos da minha vida, rs.

E se o texto for real, sei que já percebeu, mas pessoas mudam e promessas são quebradas...
Acho que já descobriu que a fé é aquele último meio de escape no qual se agarrar.

Nos últimos dias tenho sido provada por Deus, e não digo que esteja fazendo um bom trabalho.
Mas a misericórdia dEle é o que me sustenta!


p.s: sim, a net voltou *----*
já tava com saudade do seu blog, mas pelo visto, muita gente tinha a mesma opinião! rs
É bom, o reconhecimento tarda, porém chega.
Bjos ;*

Barbara Salvan disse...

"Diga-me que você se importa"
Ain, que fofura de texto. Não me canso de me surpreender aqui!
Beijos

Au disse...

Você consegue passar emoção em todas as palavras que escreve.
Eu descobri da pior maneira possível que as pessoas mudam, ou remetendo para uma comunidade no Orkut que faço parte “As pessoas e promessas são quebradas”. Infelizmente é assim que aconteceu, só espero que existam as exceções. Eu adoro exceções e elas precisam existir.
Dizem que passa, e eu não sei se acredito. Com a maioria das pessoas que mudaram, tirei de letra, e aquela saudade e necessidade passou... Só não passa com uma pessoa em especial... Espero que você tenha mais sorte, linda.


P.S.: Eu não aprendo, estou comentando do trabalho de novo! :P

Anônimo disse...

eu li dnovo, ja que nao tinha nada mais postado =x...

nao me veio a mente mais ninguem! mas deixando de lado minhas tentativas frustradas de saber a respeito de quem eh o texto (fiko parecendo ateh maria fofoca querendo saber essas coisas xD... mas fazer o que... curiosidade eh um negocio estranho) preciso te avisar....


Hj consegui uma aula extra com o Esdras (algo extremamente raro) mas por nao querer perder a chance de senta um poko com vc e te atualizar (upgrade 2.0) da nminha vida, e ouvir da tua, caso queira falar, assi que minha aula terminar, voarei para casa, e devo estar batendo ae no MAX 3:30...

vou torcendo pra nao chegar em casa e encontrar um recado off dizendo que vc nao pode =p
eqto isso, deseje-me sorte,
Tchauí

=* (obs. nao precisa ser postado tah? vo deixar um bem bonito sobre o texto, dai ponho ateh meu nome =]
beijo