Identidade Secreta.

Quero ser aquele bicho desprezível no canto do bueiro: não precisar agradar ninguém. E com meus suspiros, apenas mudo o calor do ambiente. Desejo deixar de lado minha técnica, escrever solta o que mais me preocupa, meus maiores feitos.
Não, não tive grandes feitos ainda. O Super Herói disfarçado de garoto comum. Porque o sou, não tenho glória, apenas a invento para iludir os antigos sonhadores. Não quero criar poesia, quero que ela esteja constantemente em mim, em cota insignificante, mas que seja multiplicável.
Melhor não: seria uma mesmisse. Então escrevo sobre o que? amor?
Estou perdendo minha essência, talvez ela esteja sendo substituída. E nem dei permissão.
Então deve ser assim: a arte me toma e eu a cedo meu espírito, como num ritual, mas esse é de paz. Porque temo os que não são.
Já desejei demais. Sou saudosista, mesmo que jovem. Nostálgica: amo vintage e fotografia surrada. Mas ninguém quer saber de mim. Querem mesmo é se ler no que escrevo, porque os olhos procuram nada além do autoentendimento, um pouco de segurança para a própria esquisitice. Finalmente posso dizer que estou em paz comigo: me aceitando feia como sou. Não no físico, no dizer que pronuncio.
E não odeio os que se buscam em mim: dou-lhes sorrisos porque já fui assim. E não é coisa ruim não. É apenas fase. Que nem tudo nesse viver longo, longo dizer.
Aqui descanso, e peço para não se assustarem. Porque tudo o que disse é verdadeiro, estou sendo o mais honesto que consigo. Ainda sou aquele bicho desprezível, criando minha própria glória numa fantasia que só existe aos meus olhos: criança passada, anciã futura.
Enquanto estou no meio, o que faço é escrever.

12 escafandrinhos disseram algo:

Grafite disse...

"Aqui descanso, e peço para não se assustarem."

adorei o post!

beiijo,
*.*

Lettys M. disse...

Você me surpreende cada vez mais! *-*
beeijos :**

Thais Cristina, disse...

Tenho que confessar que me identifiquei com o texto, principalmente em 3 aspectos: sou nostálgica, amo vintage e fotografia surrada, rs. 4, quer dizer,às vezes desejo fugir de tudo.
gostei muito *-*

Beijos, flor ;)

MAILSON FURTADO disse...

Excelente texto!!!

Parabéns, belo blog...

PARABÉNS!!!

Acesse:
http://mailsonfurtado.blogspot.com

Jeniffer Yara disse...

É verdade,o que as pessoas procuram é um autoentendimento em outras pessoas,nem sempre encontra,mas tenta sempre.
Ah continue sendo o bicho desprezível,assim és diferente dos que se acham importantes.

Beijos.

Anônimo disse...

O texto é ootimo,

MAS
acho que ainda existem os que te procuram nos seus textos, e não a si mesmos =p (quantos não sei, posso ter certeza só de um)

obs, tenho algo interessantissimo que quero que voce leia,
ja que queria ler o que escrevo.

Joy

DELUXE disse...

Oii tudo bem? Adoreei seu blog *-*
tô passando pra deixar nossa marquinha e lhe convidar para conhecer nosso o nosso.. (:
beeijOs

Deluxe

Raíssa Santos disse...

Eu sei que a última coisa que quer que alguem te fale é que sou parecida com você. Mas eu sou, pelo menos estamos passando pela mesma coisa. Acho que é o momento quem sou eu. Vamos nos conhecer, só espero que logo ):

Beijos

Carolina Hermanas disse...

É apenas uma fase.Isso passa :)
Mas ainda sim estou impressionada com seus textos.Você tem as palavras certas para se auto-descrever, e isso é ótimo :)
Parabéns!


Beeijos.

Monique Premazzi disse...

O ser humano procura em outras pessoas os seus mesmos defeitos, caracteristicas iguais para que assim eles não se sintam os únicos esquisitos do planeta. Já falam os pesquisadores ao redor do mundo.

p.s: Amiga a Anna ficou nervosa quando leu seu comentário KKKKK Ela disse pra gente não hackear ela não ):
p.s²: Já respondi seu e-mail, ok? *-*

Love U ♥

Lury Sampaio disse...

Talvez o prazer de se espelhar nos outros é pela falta de ter no que se espelhar em sim...
Já passei por isso também, até encontrar algo bom em mim para poder pensar que os outros se espelhariam.
beijos.

Naia Mello disse...

Quem é você? É uma pergunta que faço todos os dias. E a cada dia a escrita me dá as respostas.
É bom vim ouvir coisas de nós mesmos nas suas palavras.
beijos.