Always

Você é aquele fim de chuva na janela embaçada. Com meus dedos, escrevo seu nome sobre o vidro.
Depois o apago.
Você é a batida do carro na madrugada fria, o pico da adrenalina interrompido ao bater no poste.
O choque do vaso de cerâmica quando o mesmo atinge o solo. Você se esparrama pelo chão e fica ainda mais linda quando não consigo te fazer tocável. Fica simplesmente parada, espatifada, bela como eu a amo.
Você, porém, não é apenas o que eu consigo descrever. Você supera as palavras, constrange as imagens, paralisa os filmes...
É aquele crepúsculo que o fotógrafo nunca irá captar, o livro que Shakespeare nunca irá escrever, e a batida que meu coração nunca irá entender.
Doce sorriso. Você me faz cócegas no peito para depois fugir.
Saudades.

10 escafandrinhos disseram algo:

Winny Trindade disse...

Nossa, eu fiquei derretida com esse texto. Você escreve muito bem.
Amei muito.


Abraço meu.

Lettys M. disse...

Nem amei,né Lee ?
IOASIAISAOSI
Perfeito,como sempre.
"Você supera as palavras, constrange as imagens, paralisa os filmes..." *---*

Beeijos :***

Gabi Rodrigues ~* disse...

Letícia,a Ingrid do Encanto Cinderela foi plagiada, vamos dar uma força pra nossa amiga blogueira mandando nossa mensagem no blog porcaria da plagiadora?

http://diuliaraujo.blogspot.com/2010/07/palavras-jogadas-fora.html#comments

Deixe seu aviso, lembre-se que poderia ser com vc.
bjo;**

Cris . disse...

"É aquele crepúsculo que o fotógrafo nunca irá captar"

Perfeito, realmente uma bela declaração de amoor,
Lee que coisa maravilinda viiu #]

Marcela disse...

(...)Com meus dedos, escrevo seu nome sobre o vidro.
Depois o apago.
Eu sempre faço isso, er... KKK³
Lindo o conto.
bjs flor.

Brunno Lopez disse...

'Cócegas no peito pra depois fugir'

Isso sim, é belo de se ler...

Adorei.

Barbara Salvan disse...

Ai que liiiiiiiiiiiiiiiindo *-*
Palavras lindas pra começar meu dia, obrigada!
Beijos

Anônimo disse...

Saudades ... ;]

*Joy

Vanessa Monique disse...

"Não quero criar poesia, quero que ela esteja constantemente em mim, em cota insignificante, mas que seja multiplicável."
Adorei isso q vc escreveu.
Isso mesmo,a poesia tem q estra nos poros.
Não quero criar poesia, quero que ela esteja constantemente em mim, em cota insignificante, mas que seja multiplicável.

Jaqueline Jesus disse...

UAU *-*
eu AMEI muito esse texto.
Gostei dessa parte:'Você, porém, não é apenas o que eu consigo descrever. Você supera as palavras, constrange as imagens, paralisa os filmes...' até o final. Lindo *-*