Um pouco de Eric Nepumoceno


Nascido em Sampa e criado no Rio de Janeiro, Eric Nepumoceno foi escritor e jornalista. Nasceu em 1948 e está afastado do ramo da escrita desde 86.
Aqui eu vou recontar uma parte de um conto dele, chamado "Dizem que ela existe". Mais uma vez: é uma parte de um conto, o qual tem várias "cenas" com esta que vou recontar. Bem, aqui vou eu então. Preparados?
É curto, prometo.
"Na verdade, quando ele disse o que disse, eu fiquei furioso. Meu pai havia morrido dez dias antes.
-É bom você saber que essa dor nunca vai passar, que essa lembrança vai assaltar cada minuto de todos os dias e de todas as noites que estão à sua espera. Essa dor não vai ter fim, você terá de se acostumar com ela.
Meu pai havia morrido dez dias antes, e eu me surpreendia chorando a qualquer hora em qualquer lugar, de repende. Andava na rua, ou estava dentro de um táxi, ou na mesa, comendo, e a maré explodia. Ele, em vez de me tranquilizar, de explicar que era natural aquilo tudo, avisava, fulminante: aquilo tudo não passaria jamais.
Minha raiva durou muito tempo, até eu entender que o que ele disse era verdade, e era também a melhor forma de mostrar que estava ao meu lado."
Eu lembro que quando li essa parte do conto pela primeira vez, tive que ficar voltando as linhas várias vezes, porque não conseguia entender quem estava falando o que, mas depois eu consegui. Eu gostei dessa parte, em particular, porque faz o leitor refletir e ter uma opnião diferente após cada leitura do mesmo texto. Minha professora disse uma vez que as vezes não entendemos um texto, ou odiamos ler aquilo, mas que depois de um tempo, quando relêmos, vemos que é uma boa história, em alguns casos. Ela também disse que se lermos, por exemplo, três vezes o mesmo material em uma vida, ou seja, ler pela primeira vez jovem, depois aos trinta, depois aos quarenta e cinco, vamos ter, muito provavelmente, três pontos de vista diferentes, porque a maturidade nos faz mudar de opinião.
O que quero dizer com tudo isso é que, quanto mais se aprende com a leitura, mais segura é a avaliação sobre um texto. Quanto mais se sabe sobre um assunto, mais respeitável o julgamento sobre ele. Esse livro de contos ficará guardado comigo por um bom tempo, porque quero reler tudo no futuro, e ver se o que disse acima confirma.
Olha só como estive ligada á leitura nessas ultimas postagens. Bom, não é?
Espero que eu continue intelectual desse jeito. Obrigada pela leitura
Fonte: "Leituras de escritor". Organização: Ana Maria Machado. Comboio de Corda

0 escafandrinhos disseram algo: