Triste

Lendo textos de blogueiros de idades variadas, percebo nitidamente a transição de idéias de sensações. Disse uma vez Clarice Lispector que o adulto é triste e solitário, e que a criança tem a fantasia solta. Também ela escreveu um livro, no qual um meliante morreu a tiros pela polícia. Treze tiros.
Ela disse, em estrevista: "Qualquer que tivesse sido o crime dele, uma bala bastava, o resto era vontade de matar. Era prepotência."
Talvez não impressione quem lê, mas Clarice não tem meio termo para mim. Amo e pronto.
Será mesmo, que nos tornamos tristes e solitários? Ontem tive uma crise que parecia durar a eternidade. A raiva de mim mesma era tanta que senti quatro lágrimas caindo por um olho só ao mesmo tempo. Que dia... Começou bem, no meio foi pesado, e no fim foi mágico.
Talvez esteja me tornando solitária. Será que essa busca por liberdade significa ser solitária, ou ter a si mesmo e se auto-sustentar?
De qualquer modo, chega de falar de mim. Vamos, ao invés, pensar no homem.
E deixe-me ir, porque tenho que ler Alice. Beijo.

2 escafandrinhos disseram algo:

Thais Cristina disse...

Oi, amei seu blog *-* estou te seguindo!
O meu blog tá começando agora, me dá uma ajudinha?
me segue lá: http://welcometomycoloredlife.blogspot.com/

obrigada, bgs ;*

Isa De Sordi disse...

Interessante essa sua dúvida... Acho que ao conseguir a independência, só seremos solitários se quisermos... Pois no caminho para conseguir a tão sonhada independência, vamos nos deparar com pessoas que vão nos ajudar, tanto a nossa família, como amigos, e amigos que faremos no caminho. Essa estrada é escura, e nós temos que decidir se queremos ou não penetrá-la. Eu já fiz a minha escolha, e se quiser te levo junto. Eu vou adentrar à escuridão.